Última Fila


A morte anda a cavalo (1967)

Este faroeste soturno feito na Itália durante o boom dos Spaghetti Westerns, dirigido por Giulio Petroni, o mesmo que trouxe Tepepa, frequentemente figura nas listas de melhores westerns da história, sendo inclusive um dos filmes favoritos de Quentin Tarantino e sua fonte de inspiração (para não dizer alvo de plágio descarado da primeira à última cena) para sua saga Kill Bill.

Em seu início apavorante, pontuado por uma das trilhas sonoras mais bizarras que o mestre Ennio Morricone já compôs, vemos um grupo de bandoleiros roubando 200.000 dólares de uma diligência durante uma tempestade, e matando os protetores da carga à moda do clássico de Alfred Hitchcock Psicose. Para comemorar, eles invadem uma casa, estupram e chacinam toda uma família sem nenhum motivo, exceto o filho de 10 anos, que assiste à barbárie insana escondido. Os bandidos põem fogo na casa e vão embora, ao passo que o menino, traumatizado, jura se vingar de todos eles quando crescer. Antes que a casa toda queime, um dos bandidos chega atrasado ao local do crime, sente pena do moleque e salva a sua vida sem lhe dizer o nome, deixando para trás apenas uma espora velha, que o menino guarda como lembrança da fatídica noite.
15 anos se passam. Bill Messita (o galã John Phillip Law -que, pasmem, nunca havia disparado uma arma ou andado a cavalo antes do filme), já crescido, tornou-se um tipo de Robocop de chapéu, capaz de acertar uma mosca com seu palito de dente, que ele tem obsessão por mascar. Ele se prepara para abandonar seu rancho e realizar seu sonho de vingança e redenção. Longe dali, vemos Ryan, um senhor de idade (o legendário vilão/anti-herói de westerns Lee Van Cleef) sendo liberado de suas correntes na prisão e pegando sua arma de volta. Ele também anseia por vingança, por motivos ainda não revelados. Cedo ou tarde, os destinos de Bill e Ryan se cruzariam, pois ambos descobrem que querem matar o mesmo grupo de pessoas, e ficam num joguinho de gato-e-rato pelo Oeste, enquanto aprendem a compartilhar seus desejos de vingança e pontos de vista sobre a vida, numa relação meio tutor/aluno.

Simplesmente, nunca me canso desse filme! Já devo ter visto umas 10 vezes, e em todas, sempre acabo descobrindo algo novo. É claro que ele não está livre de falhas. O já clássico orçamento apertado dessas produções era um caso tão sério aqui, que o roteirista Luciano Vincenzoni –co-autor dos cinco maiores clássicos do gênero- foi pago apenas para criar a idéia geral do roteiro, deixando a maioria das falas por conta dos atores. Isso resultou na maior quantidade de improvisos e frases de efeito por centímetro de fita na história dos westerns. Sem dúvida, o cameraman estava apaixonado por John Law, posto que ele nunca perde uma oportunidade de dar um close-up extremo nos olhos Megan Foxescos dele. Da metade do filme para o final, a história se transforma de uma aventura dark e intimista de vingança em um campo de batalha onde Bill, Ryan e uns camponeses guerreiam contra dezenas de bandidos, num pequeno vilarejo no meio do deserto mexicano, remetendo ao clássico dos westerns cerebrais Os sete magníficos.

Essa mudança de ambiente pode desagradar alguns, mas sem dúvida carregou o filme com ação e tiroteios ainda mais desenfreados. Acho que nunca vi tantos tiros nem nos filmes do Charles Bronson! Porém, o maior defeito do filme é sua falta de sutileza. Os bandidos deixam pistas extremamente óbvias de suas identidades para o Bill ainda criança se lembrar deles para sempre. Em vez de pistas sutis como formato dos olhos, sobrancelhas e afins, eles praticamente esfregam na cara dele adornos como tatuagens, cicatrizes, brincos e pingentes, de um jeito que até o Jamanta conseguiria identifica-los.
No mais, esse filme justifica sua fama com muito ódio, ação, suspense, diversão e, é claro, Van Cleef num de seus melhores papéis. Qualquer locadora pé-sujo o possui em seu acervo, apesar de parecer que o diretor escondeu a cópia embaixo da cama por toda sua vida, dado à qualidade sofrível da imagem. Mesmo assim, não percam a chance de assisti-lo!

NOTA:9,0
Link para download: http://uaisodownload.com/tag/baixar-a-morte-anda-a-cavalo-legenda/

Anúncios

2 Respostas

  1. Spags a toque de caixa… Isso aí!

  2. Maravilhoso! Adoro filme de cowboy, e o melhor de todos foi Tepepa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: