Qual é seu preço?


Como diria Zé Lezim, brasileiro é que nem manequim de alfaiate: É o ferro quente no rabo e ele rindo. Nesse país, quando se ouve a palavra “Político”, geralmente ela vem seguida de quê? Ladrão, safado, mentiroso, ordinário, corno, vagabundo, assassino, malandro e toda a classe de insultos que só podem ser direcionados a eles e às sogras. Podem até haver no máximo uns quatro políticos honestos em qualquer cidade, mas todos são encobertos pela imensa sombra de seus nobres colegas salafrários.
Mas não é apenas aqui não. Em praticamente qualquer país, exceto nos asiáticos onde todos devem aprender a amar ao Imperador, a regra é que se há políticos, a população os odeia.
Como a mão que bate é quase sempre a mesma que apanha, os políticos não são muito diferentes de quem os elege. Não gostam de trabalhar como a maioria dos brasileiros, só querem saber de dinheiro, fazem questão de passar por debaixo da roleta, de sempre levar a melhor… Quer ser mais brasileiro que isso? E ainda temos a cara de pau de cobrar honestidade deles…
Mas também, se o político não rouba, com o quê ele preencheria 24 horas de seu dia? Fazendo o bem? Hahahahahahaha! Que coisa mais careta!
É a grande diversão de qualquer político enriquecer de maneiras pra lá de suspeitas. Creio que alguns devem até ejacular ao receber a bolada “nossa” de cada dia.
O país bem que poderia mudar algumas coisas quanto à bandalheira de nossos mandantes. Para começar, abolir a palavra “escândalo” dos noticiários, quando se referem à corrupção. Por quê? Ora, será que AINDA há alguém nesse país que fique escandalizado com essas coisas? Roubalheira, desvio de dinheiro, garotas de programa, prédios que caem, obras superfaturadas, enfim, tudo isso aparece na mídia praticamente todos os dias. Nós, contribuintes otários, já nem ligamos mais pra nada.
Outro ponto importante. Já que não há como os políticos escaparem da tentação, proponho a legalização da corrupção. Isso mesmo, vocês leram certo, folks. Sou a favor da legalização de tudo que é proibido, sabem por quê? Pois tudo que é bom é ilegal, imoral e engorda, como diria o rei Roberto. Tantos drogados e traficantes existem por aí simplesmente pelo bem que faz à alma infligir leis. Se maconha, cocaína, crack, heroína, todas essas delícias ilícitas tivessem o uso permitido por lei, seu uso perderia a graça e não haveria mais guerras civis nas favelas.
O mesmo vale pra corrupção. Ela devia ser não apenas legalizada, mas regulamentada. Quer dizer, dependendo da “relevância” do cargo, haveria um limite para o quanto o político poderia roubar, tudo registrado e computado por uma maquininha, como aquelas de passar cartão de crédito. Se o safado ousasse ultrapassar esse teto, cadeia nele na hora! Não seria muito mais simples e discreto assim? Mas, enquanto tal utopia anárquica e revoltante não se concretiza, que venham os adjetivos!

2 Respostas

  1. Radicalizou geral. Nas suas ideias não lugar para um meio termo?

  2. Eu não generalizaria, colocar todos no mesmo saco não é lá muito justo.
    Minha mãe morava ao lado de um reduto de políticos(daqueles que oferecem
    vários serviços às comunidades em troca de votos), toda vez que eu topava
    com a cara do tal, falava alto e em bom som o que achava dele. minha mãe ficava vermelha
    de vergonha. No dia das eleições, enquanto seguia para o meu exercício de cidadania
    um deles ao tentar me abordar disse a seguinte frase:
    _ Ih! Você não, seu voto é difícil.
    Tenho absoluta certeza de que não estou sozinha nessa…
    Abração

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: